SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O São Paulo voltou a vencer no Campeonato Brasileiro. Depois de jejum de oito partidas sem saber o que é ganhar, contando duas pela Copa do Brasil, o time tricolor derrotou a Chapecoense por 4 a 0, nesta segunda-feira (22), no Morumbi. Nos dez minutos iniciais do segundo tempo, Antony, Toró -que havia entrado na vaga de Alexandre Pato- e Raniel abriram a contagem. Depois, nos acréscimos, Vitor Bueno fechou a conta.
Com o resultado, a equipe deu um salto na tabela. Agora, o time, que não superava um adversário desde o dia 12 de maio, no 1 a 0 sobre o Fortaleza, passou a somar 18 pontos na tabela de classificação, na quinta posição. Até o início desta rodada, o Tricolor paulista era o 12º colocado.
Já a Chapecoense permanece com oito pontos, no 18º lugar.
Após um primeiro tempo morno, Cuca mexeu bem na equipe, com as entradas de Everton e Toró nas vagas de Luan e Pato, respectivamente. Mais objetivo, o São Paulo não teve dificuldade para construir o placar.
Na próxima jornada, no sábado (27), o time encara o Fluminense fora de casa. Já a Chapecoense jogará com o Bahia, no domingo.
HUDSON PEDE PARA NÃO JOGAR DE LATERAL
Quando a escalação do São Paulo foi apresentada, muitos ficaram surpresos com a entrada de Igor Vinícius no lugar de Hudson. O volante, que estava atuando improvisado no setor, conversou com Cuca para mostrar o desejo de atuar na sua posição de origem. Por isso, começou o confronto como opção no banco de reservas. “Ele sempre foi um volante, não quer ser efetivado como lateral direito, e eu concordo e entendo o profissional. Ele está à disposição para um caso de necessidade, mas não quer ser efetivado. Por isso a entrada do Igor Vinícius”, explicou Cuca em entrevista para o Premiere antes do confronto.
GOLEIRO TIRA CULPA DE REFLETOR
Alvo de críticas no empate entre São Paulo e Palmeiras, o sistema de iluminação do Morumbi foi isento de qualquer culpa na falha do goleiro Tiepo, da Chapecoense, no primeiro tempo do jogo de hoje. “Para mim foi falta (de Raniel). O refletor não atrapalha. É coisa do futebol”, disse o arqueiro, que se atrapalhou na hora de fazer a defesa.
QUEM FOI BEM NO SÃO PAULO
Arboleda foi o destaque positivo na defesa do time tricolor. O equatoriano não deu espaço para o adversário e transmitiu segurança para os companheiros.
QUEM FOI BEM NA CHAPECOENSE
Douglas comandou a zaga e impediu um gol do São Paulo ainda no primeiro tempo.
QUEM FOI MAL NO SÃO PAULO
Alexandre Pato e Hernanes são as principais estrelas do time tricolor, mas ainda não conseguiram atingir o melhor nível nesta temporada.
QUEM FOI MAL NA CHAPE
Gum estava nervoso e tinha dificuldade para marcar Antony e o restante do ataque tricolor. No segundo tempo, ele ainda errou feio no gol de Raniel.
ATUAÇÃO DO SÃO PAULO
O time de Cuca até buscou o ataque no primeiro tempo, mas a equipe não tinha tanta objetividade e poucas vezes apostou nas pontas.
Tal rendimento, rendeu vaias do público ao fim da etapa inicial. No segundo tempo, Cuca mexeu na equipe e o time correspondeu da maneira esperada para alcançar a maior goleada do time na temporada.
ATUAÇÃO DA CHAPE
A equipe de Ney Franco adotou uma postura mais defensiva. Ainda assim, chegou algumas vezes e levou perigo. Arthur e Everaldo tiveram suas chances, mas pararam em Volpi. A equipe se perdeu no segundo tempo e permitiu que o adversário construísse a vitória.
CRONOLOGIA DO JOGO
O equilíbrio predominou no início do confronto. Apesar da disposição de partir para o ataque, faltava um pouco mais de capricho no toque final. A Chapecoense deu trabalho para Volpi aos 19 minutos. Arthur Gomes mandou de cabeça para Everaldo chutar.
O arqueiro tricolor impediu com o pé o gol. Já a resposta dos donos da casa veio aos 22. Antony cruzou e Pato, de cabeça, passou na medida para Raniel. O centroavante arrematou, mas o zagueiro Douglas impediu o tento tricolor.
Aos 30 minutos, após boa troca de passes, Pato também a chance em chute cruzado, mas também não conseguiu marcar. Um lance que chamou a atenção aconteceu aos 41. Na ocasião, Tiepo quis fazer a defesa, mas se atrapalhou e por pouco não complicou a vida dos catarinenses. Ao fim do primeiro tempo, a torcida vaiou a equipe.
O treinador tricolor tentou dar mais força ao ataque no segundo tempo, ao promover as entradas de Toró e Everton, nas vagas de Pato e Luan, respectivamente. As trocas deram o resultado esperado e logo aos 3 minutos, Everton cruzou para Antony abrir o placar.
Não demorou muito para o time da casa ampliar. Aos 7 minutos, Toró arriscou o chute e fez um belo gol. Já aos 10 minutos foi a vez de Raniel aproveitar erro de Gum e completar com categoria para marcar o terceiro. O zagueiro da Chapecoense ainda marcaria um gol de cabeça, mas a arbitragem, após aval do VAR, anulou o lance por impedimento milimétrico. O VAR também agiu nos acréscimos para tirar impedimento que havia anulado o primeiro gol de Vitor Bueno pelo São Paulo. Conferido o lance, o meia finalmente pôde comemorar o tento de cabeça após cruzamento de Igor Vinicius.

SÃO PAULO
Tiago Volpi; Igor Vinícius, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Luan (Everton), Tchê Tchê e Hernanes; Antony, Alexandre Pato (Toró) e Raniel (Vitor Bueno). T.: Cuca

CHAPECOENSE
Tiepo; Eduardo, Gum, Douglas e Bruno Pacheco (Régis); Amaral, Márcio Araújo, Camilo (Gustavo Campanharo); Arthur Gomes, Renato Kayzer (Alan Ruschel) e Everaldo. T.: Ney Franco

Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Árbitro: Sávio Pereira Sampaio (DF)
Assistentes: Daniel Henrique da Silva Andrade e José Reinaldo Nascimento Júnior (ambos do DF)
Árbitro de vídeo: Grazianni Maciel Rocha (RJ)
Cartões amarelos: Igor Vinícius (SP); Alan Ruschel, Everaldo e Douglas (C)
Gols: Antony, aos 3min, Toró, aos 7min, Raniel, aos 10min, e Vitor Bueno, aos 47min do segundo tempo
Público e renda: 35.558 presentes e R$ 842.238