SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – Último contratado do Fluminense, o atacante Wellington Nem não é apenas um reforço a mais no clube, mas uma espécie de mentalidade que foi defendida pela dupla formada por Mario Bittencourt e Celso Barros ao longo da campanha à presidência.
Ídolo da torcida e campeão brasileiro em 2012, Nem pode ser o primeiro de uma série de nomes identificados com o time tricolor a desembarcar nas Laranjeiras na gestão da dupla, que prometeu adotar este expediente.
“Ele [Nem] tem uma relação com a gente absurdamente próxima e fraterna. Quando ele teve uma lesão no púbis ano passado, veio se tratar no Fluminense. Ele é tricolor, acompanha os jogos”, elogiou Bittencourt. Nomes mais “fáceis”, Fred e Thiago Neves, ambos do Cruzeiro, são alvos para a próxima temporada, mas o Fluminense entende que a dupla teria de se adequar a uma realidade bem distante daquela dos tempos de vacas gordas no clube.
Já os sonhos mais complicados ficam por conta do desejo em repatriar Thiago Silva, do PSG, e Marcelo, do Real Madrid. Os dois sempre visitam o clube quando estão de férias e alimentam os desejos de torcedores e diretores.
De volta para casa, o atacante falou que o retorno foi tentando em outras três ocasiões anteriores, mas revelou que as condições agora eram a ideal para voltar a defender as cores do clube do coração.
“O amor pelo clube é a minha maior motivação. Sou tricolor desde pequeno. Fui para a Europa com pensamento de estar aqui. Quando tive a proposta para ir para o Shakhtar, eu não queria. Voltar pelo amor pelo clube, pelo presidente e pelo Celso também, que conversaram comigo, que fizeram o projeto. Isso foi maior”, garantiu Nem. Apesar do clima festivo pela contratação do jogador, o Fluminense vive dias delicados após a derrota por 2 a 1 contra o Vasco.
Nesta terça (23), a equipe encara o Penãrol, em Montevidéu, em partida válida pela Sul-Americana. Já no sábado o rival pelo Brasileiro será o São Paulo, às 19h, no Maracanã.