SAN DIEGO, EUA (FOLHAPRESS) – Depois de um ano de ausência, Game of Thrones voltou à San Diego Comic-Con. E encontrou muitos fãs ainda decepcionados com o fim da série.
“Foi fraco. Os roteiristas da série, no final, deixaram a bola cair”, disse Paulo da Rocha, brasileiro que vive nos EUA e fez com os amigos um esquema de revezamento de lugares na fila para conseguir entrar no Hall H. “O final foi muito corrido, e a série ficou muito curta. No mínimo, deviam ter deixado os dez episódios, ou mais [na última temporada]”.
“Eu não gostei”, respondeu Mariana, fã que veio de Porto Rico para acompanhar o evento em San Diego. “Eu estava esperando outra coisa, principalmente em arcos como os de Daenerys e Tyrion Lannister. Mas tem sido uma série ótima, no geral. O final que foi frustrante”.
Steven, outro fã da série que esperava o horário do painel, seguiu o mesmo pensamento. “Ficamos desapontados com o final, sentimos que roteiristas e diretores aceleram um pouco, e nós queríamos ver mais”.
“Foi satisfatório”, disse Sarah, destoando um pouco do sentimento geral no Hall H. “Dito isso, algumas cenas foram muito rápidas, mas no geral eu fiquei feliz”. A opinião foi acompanhada por Erick, fã americano que é filho de pais brasileiros. “Eu gostei muito. Só queria que tivesse mais”.
Por causa desse sentimento, o diretor de programação da Comic-Con, Eddie Ibrahim, foi antes do painel até o microfone pedir que o público fosse respeitoso com os atores. “Este é um lugar onde todo mundo é aceito e é bem-vindo como se fosse a sua casa.”
Mesmo com a decepção geral, a reação ao elenco foi positiva: Isaac Hempstead-Wright (Bran), Conleith Hill (Varys), John Bradley-West (Sam), Nikolaj Coster-Waldau (Jamie), Maisie Williams (Arya), Jacob Anderson (Verme Cinzento) e Liam Cunningham (Davos) foram bem aplaudidos pelo público.
“Foi surpreendente o nível [da rejeição com o final]. Fizeram até petição online”, afirmou Coster-Waldau. “Todas as temporadas tivemos críticas. No final, fico feliz. A série juntou tanta gente. Quando chega no final, você vai ficar irritado, porque acabou. Mas, no final do dia, está tudo bem. Se você não gostou, ótimo. Só não xingue as pessoas”.
“Estamos aqui pra agradecer por nos verem todos esses anos. Fizemos o nosso melhor. Estamos muito gratos”, comentou Conleth Hill. “É isso a realidade, em vez do ódio.” O público o Hall H vibrou com a declaração.
Por cerca de 45 minutos, o elenco teve uma conversa despretensiosa com os fãs, falando principalmente sobre o rumo de seus personagens e curiosidades das gravações. Foi, de certa forma, a Comic-Con em sua origem: menos uma ferramenta de divulgação de produtos da indústria do entretenimento, mais uma confraternização com o público.
Até a garrafa de água, que apareceu no último episódio, foi assunto. “Eu sou uma pessoa que se culpa muito sobre as coisas”, disse Bradley, o Samwell Tarly e que estava ao lado do objeto na cena.
O ator, porém, negou ser o responsável. “Eu sou destro, se estou bebendo água com a mão direita, eu colocaria a garrafa no chão do lado direito. Como teoria da conspiração, diria que era do cara do meu lado esquerdo. Acho que já fui muito culpado”, disse aos risos. “Quando circulou [a imagem da garrada], pensei ‘eu arruinei o episódio”.
“Obrigado por terem nos assistidos por dez anos” resumiu Hill, ao som de aplausos.