BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) – O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o chanceler argentino, Jorge Faurie, lideraram nesta sexta-feira (19), em Buenos Aires, uma reunião com representantes de 21 países, entre os quais o Brasil, na qual foi assinado um compromisso de luta contra o terrorismo na América Latina.
“Vim para dizer que estamos de volta à América Latina, e vamos ajudá-los a atacar o terrorismo”, disse Pompeo.
O secretário americano visita a Argentina na semana em que se completam 25 anos do atentado contra a Amia (Associação Mutual Israelita Argentina), que deixou 85 mortos e cuja suspeita de autoria recai sobre a milícia libanesa Hizbullah.
“Os grupos terroristas estão se radicalizando e encontrando nossas vulnerabilidades. Na América Latina já foram detectados membros do Hizbullah atuando na Argentina, no Peru, no Brasil e no Paraguai”, afirmou o secretário americano, sem apresentar evidências.
“Na Tríplice Fronteira sabemos que estão instalados há muito tempo. É preciso integração maior nos esforços, especialmente na luta contra essa organização”, afirmou Pompeu, que também anunciou reuniões em Bogotá, a serem realizadas no primeiro aniversário do atentado cometido pela guerrilha ELN (Exército de Libertação Nacional) contra uma academia de oficiais, em janeiro.
Criado em 1985 como um movimento de resistência contra Israel, o Hizbullah segue o ramo xiita do islã e se alinha ao Irã e ao regime da Síria. Há inúmeros atentados atribuídos à facção.
Desde que assumiu o poder, o presidente argentino, Mauricio Macri, pediu ao governo dos EUA que liberasse documentos sobre o atentado à Amia e o Hizbullah.
A contrapartida pedida por Donald Trump foi que a Argentina declarasse a milícia uma organização terrorista e congelasse bens de pessoas suspeitas de estarem vinculadas à organização, o que Macri fez via decreto assinado na quarta (17).
“Gostaríamos de estimular os outros países da região a fazer o mesmo”, disse Pompeo. “É preciso dar um golpe no bolso do Hizbullah, e por isso também alertamos todos os países da região para que incrementem o controle de contas que possam estar financiando o terrorismo aqui.”
Pompeo elogiou ações recentes de Paraguai e Peru, que facilitaram a extradição de supostos membros da organização para serem julgados nos EUA.
Em seu discurso, o chanceler argentino disse que os latino-americanos estavam acostumados “a ver o terrorismo pela televisão, como algo distante, até que ele bateu a nossa porta, como um chamado à realidade”. 
“E esse chamado veio na forma de uma explosão e de lágrimas”, disse, referindo-se aos ataques à embaixada de Israel em Buenos Aires, em 1992, que deixou 29 mortos, e o da Amia, dois anos mais tarde.
“É preciso combater as sementes de ódio que estão sendo plantadas por terroristas e controlar o uso da tecnologia que espalha mensagens de ódio e estimulam o terrorismo”, afirmou o argentino, corroborando discurso de Pompeu sobre monitoramento na internet para evitar que grupos se organizem por essa via.
Apesar de, até hoje, não haver nenhuma condenação pela Justiça argentina contra os responsáveis pelos atentados de 1992 e de 1994, tanto o governo argentino quanto o norte-americano afirmam que houve avanços em ambos os casos.
Os EUA, por exemplo, anunciaram sanções financeiras a Salman Raouf Salman que, segundo eles, é o principal suspeito de ter sido o autor intelectual do ataque.
De acordo com reportagem do jornal Clarín publicada nesta semana, baseada em documentos obtidos via fontes americanas, seria possível afirmar que a motivação do ataque foi a revogação, por Carlos Menem (1989-1999), então presidente da Argentina, de tratados comerciais com o Irã.
A decisão do mandatário seria resultado de sua aproximação com os EUA. Órgãos oficiais não confirmam nem negam a apuração do Clarín.
A gestão de Menem chegou a ser acusada de obstruir a Justiça com ocultação de evidências e manipulação da cena do crime, mas o ex-presidente depois foi absolvido.
Durante a gestão de Cristina Kirchner (2007-2015), o governo argentino propôs, em troca de um acordo comercial com o Irã, criar uma comissão internacional para retomar a investigação do atentado, o que tiraria o processo das mãos da Justiça argentina.
Em 2015, o promotor Alberto Nisman declarou que havia preparado uma denúncia contra Cristina por obstrução de Justiça. Um dia antes de expor o caso ao Congresso, em 18 de janeiro de 2015, Nisman foi encontrado morto em seu apartamento. O episódio também segue sem conclusão.
O ataque à Amia teria sido organizado por Moshen Rabbani, procurado pela Interpol. Ele teria viajado também a outros países da região, pois a intenção não era apenas punir Menem mas também mostrar a líderes latino-americanos que o Hizbullah teria poder de ação na região.
A Justiça argentina identificou, na época, uma transferência de US$ 150 mil pelo Ministério de Inteligência do Irã a um terrorista que estaria na cidade brasileira de Foz do Iguaçu, para onde Rabbani teria levado uma equipe.
O dinheiro teria financiado o ataque à Amia e o planejamento de outros ataques que acabaram não se concretizando. O alvo seria escolhido entre órgãos ou instituições ligadas a Israel, uma vez que a comunidade israelense na Argentina é uma das maiores do mundo.
Depois do ataque à Amia, a Justiça argentina seguiu monitorando a fronteira, mas considerava a possibilidade de a célula terrorista ali estar desativada. A morte de Nisman, no entanto, trouxe à tona o fantasma de que o terrorismo islâmico ainda estaria na região.