SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Jesus and Mary Chain pós-punk que você conhece não existe –quer dizer, existe em estúdio. Ao vivo, a banda escocesa deixa a batidinha dançante tão característica do final dos anos 1980 em segundo plano, atrás da distorção de duas guitarras tocadas em volume máximo.
Esta foi a impressão que ficou do quarto show do grupo no país, nesta quinta (27) à noite, em São Paulo. 
É como se a banda dos irmãos Jim e William Reid tivesse aplicado a barulheira característica de seu primeiro disco, “Psychocandy” (1985), em todas as vinte faixas executadas no palco do Tropical Butantã.
Assim, as guitarras radiofônicas de hits como “April Skies” e “Head On”, ambas de álbuns posteriores, ganharam uma dose extra de “sujeira” ao vivo. As faixas do “Psychocandy” em si, como “In a Hole” e “The Living End”, eram tão ruidosas que vão deixar os ouvidos zunindo por dias.
Isto não só é um elogio como é até esperado pelos fãs de um grupo que praticamente inventou um gênero de música, o “shoegaze”, que ficou conhecido por suas paredes de guitarras, vocais soterrados e bandas formadas por músicos introspectivos, que tocavam olhando para o chão.
O Jesus e Mary Chain tocou o tempo inteiro em uma bela iluminação colorida em contra-luz, de tal forma que era impossível enxergar os rostos dos integrantes. A interação com a plateia se limitou ao “obrigado” macarrônico dito algumas vezes pelo vocalista Jim Reid, eles emendaram uma faixa na outra e pouco se mexeram em cima do palco –o guitarrista William Reid não saiu da frente de sua pilha de amplificadores. 
A ausência de carisma, contudo, não afetou um show coeso e bem executado, da primeira à última faixa, como se banda cumprisse com precisão uma tarefa que lhe foi passada.
Ajudou aqui a qualidade do som da casa do Butantã, que não transformava o barulho das guitarras simultâneas em uma massaroca sonora na qual se perdem as nuances. Esta foi uma surpresa positiva, porque o lugar é frequentemente criticado pela péssima qualidade do som.
É difícil apontar um momento alto da apresentação, já que a plateia –formada basicamente por quem já passou dos 30– estava sorridente e imersa em uma bolha de microfonia que conectavas às músicas umas às outras. 
Vale destacar, contudo, como foi bonito ver todo mundo levantando seus celulares e gravando vídeos para os seus queridos na hora de “Just Like Honey”, que ganhou um backing vocal feminino ao vivo. A música é uma das melhores da trilha de “Lost in Translation”, filme de Sofia Coppola tão melancólico quanto a banda.