RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) – O goleiro Rodolfo, do Fluminense, foi flagrado em exame antidoping por possível uso de cocaína e abriu mão de fazer uma contraprova, informou o clube. O teste foi realizado após duelo com o Atlético Nacional (COL), válido pela Copa Sul-Americana, em 23 de maio, no Maracanã.
Segundo o protocolo do Código Mundial Antidopagem, de 2015, o o atleta é suspenso preventivamente nesses casos. Ele também é comunicado primeiramente e tem prazo de até cinco dias para solicitar o exame da contraprova. Caso não o faça, aceitará o resultado do teste inicial —o que aconteceu com Rodolfo.
O uso de cocaína não chega a ser uma novidade na vida de Rodolfo. Em 2012, o goleiro foi flagrado pela primeira vez e pegou dois anos de suspensão quando defendia o Athletico-PR.
Desde que chegou ao Fluminense, em 2018, sempre usou seu caso como exemplo, influenciando pessoas que escolheram o caminho errado de que é possível se recuperar e dar a volta por cima.
Titular de Fernando Diniz no início da temporada, Rodolfo sofreu algumas críticas por parte da torcida e acabou perdendo a posição para Agenor. No dia em que foi flagrado, contra o Atlético Nacional, inclusive, já estava no banco de reservas.
Veja nota do Fluminense na íntegra:
“O Fluminense Football Club informa que o goleiro Rodolfo Alves de Melo foi flagrado no exame antidoping após a partida Fluminense x Atlético Nacional (COL), pela Sul-Americana, realizada em 23 de maio de 2019 no Maracanã. O clube e o atleta já realizaram uma reunião e uma petição foi apresentada à Conmebol, onde o jogador abriu mão da contraprova se colocando suspenso voluntariamente, para se dedicar exclusivamente à sua defesa. O Fluminense já colocou seu Departamento Jurídico à disposição do jogador que, por norma legal, teve o contrato de trabalho suspenso. A instituição dará todo o suporte necessário ao atleta.”