Em 2 anos, 56% dos viciados internados em São Paulo desistiram do tratamento

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Dos cerca de 10 mil dependentes químicos que passaram por uma internação psiquiátrica custeada pela Prefeitura de São Paulo, nos últimos dois anos, mais da metade, 56%, desistiu do tratamento.
Além das desistências, o programa inaugurado pelo ex-prefeito João Doria (PSDB), e reativado recentemente por seu sucessor, Bruno Covas (PSDB), também enfrenta alta rotatividade.
Em 54% das internações, trata-se de casos de dependentes químicos que retornaram aos hospitais psiquiátricos pouco tempo depois de terem voltado para as ruas.
Há poucas informações, porém, sobre o grupo restante, dos dependentes que de fato aderiram ao tratamento, ou seja, ficaram internados até obterem a alta médica e, depois, fizeram o acompanhamento ambulatorial com médicos e uso de remédios.
Esse grupo representa 3% do total das internações, ou 360 pacientes.
Não houve acompanhamento dessas pessoas nesses dois anos e, por isso, são nulas as informações a respeito da efetividade do programa, como o número de pessoas que conseguiram se afastar o vício ou retomaram a rotina.
“Instauramos o aplicativo para seguimento dos pacientes do Redenção, mas ainda não conseguimos extrair os dados”, afirma o coordenador Arthur Guerra.
Segundo ele, está em estudo uma parceria com a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) para elaborar um mecanismo capaz de avaliar a evolução dos dependentes que passarem pelo programa.
Entre eles está o tapeceiro Danilo Rodrigo da Silva Santos, 32, que voltou a viver com a família no interior de SP após passar meses na cracolândia. Para sustentar seu vício em cocaína, ele conta ter sido arregimentado pelo tráfico de drogas até ter contato com um agente do Redenção. “Esperei três dias para ser internado”, diz ele, que passou 33 dias em um hospital.
Hoje, três meses depois da alta, faz acompanhamento médico e retomou o casamento que havia sido desfeito pelas drogas. “É uma luta diária”, afirma.
Instituídas desde maio de 2017, as cerca de 10 mil internações custaram à municipalidade cerca de R$ 35 milhões.
A ideia da gestão do prefeito Covas é ampliar o contingente de internações, principalmente de usuários que orbitam no entorno da cracolândia, região no centro de São Paulo que concentra dependentes que vivem nas ruas.
O aceno à política de abstinência, que foca em privar o usuário do acesso às drogas, em detrimento da redução de danos representa um alinhamento ao método proposto pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).
O coordenador do Redenção deve ir a Brasília para reunião com o ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB), autor do projeto de lei sancionado pelo presidente na semana passada.
O texto muda as regras para as internações involuntárias e concede a agentes públicos, e não mais apenas a familiares, o poder de encaminhar um dependente para o hospital psiquiátrico, mesmo contra sua vontade.
A internação involuntária deve ser autorizada por um agente de saúde, e não mais necessariamente por um médico, como ocorria antes da aprovação da nova lei.
De acordo com o médico psiquiatra Dartiu Xavier, autor do programa Braços Abertos, instituído na gestão do ex-prefeito Fernando Haddad (PT), baseado em ações de redução de danos, como bolsas em troca de serviços prestados e vagas em hotéis sociais, as internações de dependentes químicos são recomendadas apenas em casos extremos em que o paciente corre risco de morrer ou coloca outras pessoas na mesma situação.
Esses casos, de acordo com ele, representam 3% dos 6.000 atendimentos por ano realizados pelo Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), onde o psiquiatra atua como diretor. “A internação não é o melhor método porque é fácil ficar longe da droga quando se está isolado em um hospital. O difícil é manter a abstinência ao voltar para a vida normal. É quando ocorrem as recaídas em cerca de 90% dos casos”, diz.
Por isso, segundo ele, o acompanhamento ambulatorial com terapias e medicamentos que ajudem a conter a fissura pela droga é preconizado para manter o dependente no controle do vício.
De acordo com Xavier, o programa de álcool e drogas da Unifesp tem taxa de eficácia de 70%. “Consideramos sucesso quando o paciente consegue passar ao menos seis meses sem se drogar ou consegue retomar a rotina de trabalho e estudos apesar do uso”, diz.