CANNES, FRANÇA (FOLHAPRESS) – O repeteco do protesto no tapete vermelho não veio.
Ao retornarem para o Festival de Cannes com o filme “Bacurau”, três anos após “Aquarius”, os diretores Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles preferiram não encampar nenhum ato político como o que fizeram em 2016.
A atriz Sonia Braga, que havia marcado presença naquele ano e que também está no elenco da nova produção, tampouco compareceu. Teve compromissos em Nova York. O restante do elenco, contudo, veio em peso, incluindo Silvero Pereira, um dos mais fotografados, trajando um vestido longo. 
Silvero Pereira antes da exibição de ‘Bacurau’ em Cannes Alberto Pizzoli/AFP Silvero Pereira antes da exibição de ‘Bacurau’ em Cannes      “Bacurau”, terceiro longa da carreira de Kleber, se passa numa cidadezinha do sertão que passa a ser palco de acontecimentos inusitados após a morte da matriarca da cidade, interpretada por Lia de Itamaracá. 
É a segunda vez que o diretor pernambucano compete pela Palma de Ouro, mais importante prêmio do cinema de arte.
Na primeira vez, com “Aquarius”, sua passagem ficou bastante conhecida sobretudo pelo ato anti-impeachment de Dilma Rousseff encampado pela equipe do filme.