STF decide soltar turco preso no Brasil após pedido de extradição de Erdogan

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (7) libertar o comerciante Ali Sipahi, turco naturalizado brasileiro que foi preso preventivamente no dia 6 de abril após pedido de extradição do governo de seu país.
A decisão foi publicada no site do STF e confirmada por seu advogado com o gabinete do ministro Edson Fachin.
Sipahi, que é dono de um restaurante e está preso enquanto seu pedido de extradição é analisado pelo Supremo Tribunal Federal, é acusado pela procuradoria de Ancara de ser membro do Hizmet -organização do clérigo muçulmano Fethullah Gülen, desafeto do presidente Recep Tayyip Erdogan e considerado terrorista por seu governo.
Como evidências contra Sipahi, Ancara cita suas atividades no Centro Cultural Brasil-Turquia (CCBT) e na Câmara de Comércio e Indústria Turco-Brasileira (CCITB).
Ambas são, de fato, ligadas ao Hizmet, que está presente em mais de 160 países. Segundo seus seguidores, porém, trata-se de um movimento pacífico, focado em educação, tolerância religiosa e projetos assistenciais.